Fernanda da Conceição Ferreira

Educacion Parental, Paridad de Género, Democracia y Derechos Humanos

País: Portugal      Falo e escrevo em Espanhol  

Formação: Engenheira Mecânica, Licenciada em ciências da educação, Animadora Sociocultural,  Certified Professional Coach Pro  e Paridad de género hacia la economia del cuidado, Curso de Educação Parental, Curso de Democracia, Direitos humanos e Participação das Crianças, Expert Profissional Mentor 

Área de Mentoria:

Sociedade y Família.

 

Sinto-me uma mulher no mundo dos homens.

Tenho incontáveis facetas. Sou mãe, pintora, professora de cidadania, de educação tecnológica e educação visual, faço teatro e um milhão de outras coisas, mas em todos os casos, sou mulher. É tão simples quanto isso.

Não posso dizer que tenho um milhão de versões porque me esforço todos os dias para fazer com que cada versão colabore com as outras para formar uma única mulher. No entanto, posso dizer isto hoje. Nem sempre foi assim.

Na minha infância, foi-me difícil compreender que era "normal" não ter os mesmos direitos que os homens e tomei a decisão de não me conformar com o normal, de lutar para mudar isso. Dos olhos de uma criança, não compreendi totalmente a magnitude desses pensamentos, mas mais tarde agi por autoconhecimento e auto-respeito. Desafiei a minha família e quebrei o padrão ao atrever-me a ir para a universidade e, além disso, a escolher um curso que era quase exclusivamente para homens. Mas dei um estalo a mim própria, era ainda demasiado nova para inverter séculos de desigualdade e acabei por me cansar.

Casei-me e comecei uma família, mas como podem imaginar, essa não foi uma boa solução. 

Quando criança olhava para a minha mãe e avó e via que elas tinham tudo para serem felizes e, no entanto, não o eram. Deram demasiado poder aos outros, prestando atenção ao que lhe diziam.

Hoje sou uma mulher diferente, quebrei o padrão das mulheres da minha familia e agora faço coisas que não são comuns para as mulheres, mas que me fazem feliz.

Eu não quero ser um homem e não estou a competir para ser melhor do que eles. Adoro ser mulher e quero sentir-me livre para o ser, para manter a minha feminilidade e a minha sensibilidade. E eu quero inspirar os homens, não lutar com eles!

Como mentora procuro ajudar a milhões de pessoas sempre que ajudo a centenas de mulheres ajudando-as a  se tornarem mestres de si mesmas e isto traduz-se num melhor ambiente nas relações, num ambiente familiar muito mais harmonioso e feliz, especialmente se houver crianças para educar e dar o exemplo, e principalmente numa sociedade mais humana e mais bela.

Ao ajudar estas mulheres estarei a ajudar a sociedade como um todo.

Todo homem tem uma mulher na sua vida!

Ajudo a instituições/empresas, escolas ou pais, fazendo mentoria em Educação Parental

Dou apoio e acessoria em temas/projetos de Igualdade/paridade de Género




Contactar

Libros